terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Forma da ministração dos Sacramentos

Post colado de um tópico do Orkut das comunidades da IPB, IPI e IECLB.

***

Eu sei que eu sou um enjoado high church que nunca ficará satisfeito com a forma "evangélica" com que os Sacramentos e Ritos da Igreja são tratados na IPB. Sei que vocês me darão um bom desconto por isso.


Mas parece que as coisas andam piorando ultimamente.


Exemplo 1: o Sagrado Batismo, o infantil.

Quando eu era pequeno, celebrava-se assim: o pastor dava uma breve explicação do significado do sacramento (quando ministrado a crianças), apresentava os candidatos, fazia as perguntas e tomava os votos dos pais, fazia uma oração intercedendo pela vida do novo membro que a Igreja estava prestes a receber, ministrava o Sacramento e depois orava de novo (ele ou um presbítero) agradecendo pelo Sacramento.

(em tempo, eu sempre odiei o "ovelhinha de Jesus" ou o "filho(a) da promessa" que os pastores enfiavam no meio da fórmula batismal).

Hoje em dia, o meu pastor, apesar de usar as perguntas, a fórmula e a forma (tripla efusão) prescritas no Manual da IPI, elimina as orações e raramente dá o significado do Sacramento.

No resto do Presbitério, usam a forma (única aspersão) e fórmula daquele manualzinho podre do Carvalhosa, quando usam. De resto, também eliminam as orações.

Como única melhoria, agora costuma-se chamar "a família e os amigos" (leia-se, os padrinhos) para acompanhar este momento de perto, coisa que jamais acontecia antigamente. Eram só os pais, ninguém subia nem pra ver mais de perto nem tirar fotos. Não se tomam os votos dos padrinhos, claro, mas já é um progresso.

(Não sei nas regiões de vocês, mas por aqui, todo mundo tem padrinho, mesmo que a Igreja não tome os votos deles no Batismo)

Exemplo 2: A Confirmação e a Profissão de Fé com Sagrado Batismo

Antigamente o negócio era tratado como um rito de passagem importante. Era quase uma formatura, e essa idéia começava com o próprio catecumenato: levava o ano inteiro, podia-se tomar pau por faltas, era bem possível não ser aprovado na sabatina do Conselho.

O rito em si começava com a entrada dos presbíteros, que sentavam-se à Mesa. Cantava-se um hino ou cântico, o pastor anunciava os aprovados, então fazia as perguntas e tomava os votos de praxe. Ao final, recitava-se (de cor!!!!) o Credo Apostólico (única ocasião em que isso costumava acontecer na vida de uma IPB do interior), orava-se e então batizava-se quem tinha de ser batizado, e todos eram declarados membros professos da Igreja. Orava-se de novo ao final e prosseguia-se para a celebração da Santa Ceia.

Hoje, à semelhança do Sagrado Batismo infantil, o negócio foi terrivelmente simplificado, como se tudo isso fosse uma burocracia que infelizmente temos de cumprir, e não um momento grandemente solene e grandemente festivo na vida do Corpo de Cristo.

Agora, chamam os candidatos à frente, que ficam lá em cima, do lado do púlpito ou da Mesa (nas igrejas que têm a Mesa no centro do presbitério), virados pra congregação, como um bando de calouros num palco. Faz-se as perguntas, batiza-se quem precisa ser batizado e dispensa-se todo mundo. "Vamos logo com isso" é a impressão que se passa.


Exemplo 3: "A Celebração da Sagrada Eucaristia, também chamada de Santa Comunhão ou a Ceia do Senhor"

Aqui é que eu acho a decadência mais marcante. Tudo bem, usar a Grande Ação de Graças para consagrar os elementos é uma coisa que, dos pioneiros, acho que só Simonton e Blackford faziam, e nunca pegou nas igrejas do interior.

Mas a Santa Ceia ERA um momento solene e tratado com a devida reverência.

O Conselho se reunia em torno da mesa, o pastor explicava o significado do sacramento, fazia a advertência, fazia uma oração que sempre terminava com a Oração do Senhor feita pela congregação. O pastor lia ou recitava de cabeça a Instituição usando o texto de I Coríntios e dava um momentinho de silêncio para meditação. Alguns pastores já faziam a elevação e a fração do pão e a elevação do cálice durante a Instituição, o que eu desde pequeno sempre achei maravilhoso e correto, mesmo antes de ter contato com o catolicismo romano. Aliás, acho que foi imitando meu tio, na fração do pão na mesa do café em um sábado de 1998, que eu primeiro senti uma pontinha de vocação...

Mas enfim, recitava a Instituição, elevando ou não os elementos. Entregava-os aos presbíteros, que os distribuíam à congregação, que já comungava no ato. A Igreja permanecia de pé, senão durante toda a consagração, pelo menos para a comunhão.

Em alguns lugares, o pão era primeiro distribuído para toda a Igreja, depois o suco de uva que se transubstanciou em vinho... Em outros, os elementos seguiam juntos, e dependendo da eficiência dos presbíteros ou da lerdeza dos comungantes, era bem capaz de se receber o vinho primeiro (acontece na minha igreja ainda hoje)...

Depois de todos servidos, o pastor servia o Conselho, repetindo "Este é o meu Corpo, partido por vós. Comei dele todos", e o "Este é o cálice da nova aliança no meu sangue". E era servido por último.

Ao final, um presbítero fazia a oração de ação de graças pós-comunhão. Cantava-se mais um hino, seguiam-se os avisos comunitários, a oração final, a Bênção e o Amém. O hino servia para separar o sublime momento do Sacramento, dos avisos. Se na Ceia nós elevamos os corações, como diz tanto a tradição cristã histórica, como também Calvino, esse hino, ou pelo menos a oração pós-comunhão serviam para nos trazer de volta à terra para os avisos, por assim dizer.

Como ficou a prática padrão agora, no meu presbitério?

O pastor reune o Conselho durante um hino ou cântico.

Na minha igreja, em lugar da Instituição paulina, o pastor usa ou parafraseia o texto do Evangelho segundo S. João (que não é uma Instituição propriamente dita), "o meu Corpo é verdadeira comida, o meu sangue é verdadeira bebida".

Um avanço é que, em lugar da longa advertência, o pastor faz só o Convite à Mesa: todos aqueles que professam a Cristo como Senhor e Salvador e se encontram em plena comunhão com a sua Igreja são convidados a dar testemunho de sua fé comendo do pão e bebendo do cálice.

Aí, ele parte o pão (é um só pra igreja inteira) e entrega para os presbíteros. Nada dos ridículos cubinhos de pão de fôrma. E entrega as bandejas de "suco transubstanciado em vinho".

Meu pastor é batista convertido em presbiteriano, e isso aparece com força no costume que ele deu à igreja, de todos esperarem para consumir os elementos juntos. Em que pese a simbologia de que, assim, em tese, "celebramos a unidade do Corpo de Cristo", e que há um mandamento apostólico de "esperarmos uns aos outros", eu particularmente acho a prática ridícula.

Primeiro, por causa da pose ridícula de galinha choca em que demos de esperar, segurando o pão em uma mão e o cálice na outra. No banco não aparece tanto, mas os presbíteros lá em cima esperando com os elementos na mão são particularmente deploráveis.

Segundo, porque na hora de beber o cálice, para citar von Allmen, parece um grande brinde: "Saúde!", e todo mundo vira ao mesmo tempo a dose de pseudo-vinho. E segue-se o clic-clic infernal de 200 desses dedais de plástico sendo colocados na estante do banco.

O único outro avanço, além do pão comum, é que já há presbíteros (um deles de origem metodista), que ao distribuir os elementos dizem "O Corpo de Cristo" e "O Sangue de Cristo". Mas esses são dois num Conselho de cinco.

Normalmente, após a Comunhão um presbítero é convidado a dar graças, como é normal. E então o culto segue normalmente para o seu fim.

***

O que me motivou mesmo a abrir este tópico é que ontem foi domingo de Ceia. Mas após a Comunhão do cálice, o pastor nem mesmo observou um momento de silêncio, nem convidou um presbítero ao pós-comunhão. Já foi saudando os visitantes e dando os avisos.

Se a Oração pós-comunhão serve para nos trazer de pára-quedas do céu à terra, isso que aconteceu ontem equivaleu a amarrar uma âncora na perna e jogar no mar. Devo escrever um e-mail ao Rev. sobre isso também. Mas precisava comentar com vocês.

Um comentário:

Arthur Rocha disse...

E quanto aos elementos usados no sacramento. Na IECLB, por exemplo utilizamos, muitas vezes, a hóstia e o vinho, pois objetivamos os elementos principais do trigo e o fruto da videira. Na tradição presbiteriana é bem visto essas "substituições"?
E quanto a participação, eu li que devemos estar em plena comunhão com nossa igreja, mas é necessário ser presbiteriano, ou a mesa é aberta a toda a cristandade como na IECLB?